Carne Nunca Mais
Pé-na-porta contra os robozinhos do sistema

O encantador de búfalos

—– Original Message —–
From: Naor Nemmen – Portoweb
Sent: Friday, May 21, 2010 8:17 PM
Subject: … emocionante, principalmente para os búfalos …

Para: Zero Hora / Sobre ZH

Ainda o “encantador” de búfalos

Interessantíssima sua reportagem “O encantador de búfalos”; conforme escreveu uma leitora, “ainda existem seres humanos sensíveis, capazes de amar animais”.
Ele realmente ama muito os animais: toca música para eles e depois os vende para um abatedouro… emocionante, principalmente para os búfalos, estes “animais de aparência feroz”.
É, as aparências enganam…

Naor Nemmen

————————————
ZH 18 maio 2010

É preciso ressaltar a maravilhosa matéria “O encantador de búfalos” (ZH de 9 de maio). Em meio a tantas tragédias no trânsito, corrupção na política, problemas com crack e casos de pedofilia, há que se acreditar que ainda existem seres humanos sensíveis, capazes de amar animais e música numa junção encantadora.
Depois que li a matéria, reacendeu-se em mim a crença em que nem tudo está perdido. O pecuarista “encantador de búfalos” encantou muitas pessoas que buscam um mundo melhor.

Gisele Melo
Professora – Estrela
————————————
ZH 09 maio 2010

MÚSICA NO CAMPO
O encantador de búfalos

Apaixonado por instrumentos musicais e pelos animais que cria, Trierweiler descobriu uma curiosa forma de unir as duas paixões
Quando o delicado arco encontra as cordas do violino e faz emergir as primeiras notas, ao longe o rebanho ergue a cabeça, fareja o som e começa a deixar o pasto de lado. No Sítio dos Búfalos, como em uma marcha ensaiada, um a um e enfileirados, os animais buscam o som da melodia e se aproximam do músico.

Éem General Câmara, no Vale do Rio Pardo, que vive um homem capaz de encantar com acordes delicados esses animais de aparência feroz. Façanha intrigante que garantiu ao pecuarista Antônio Carlos Trierweiler, 47 anos, a alcunha de encantador de búfalos.

Ao tocar violino na varanda da fazenda, o pecuarista descobriu que seus acordes atravessavam o pasto e atraíam os animais até ele

Quando as primeiras notas alcançam o rebanho, Trierweiler une duas paixões: os búfalos e a música. Assim como fazem atualmente os seus animais, Trierweiler seguiu o som das melodias por toda sua vida. Ao contrário dos búfalos, que só se inspiram com a canção Amazing Grace, famosa na voz de Elvis Presley, o veterinário, também formado em Direito, aventurou-se em diversos estilos e instrumentos musicais.

A mãe adorava música clássica e, quando adolescente, aos 14 anos, o pecuarista teve aulas de violão clássico e piano. Um acidente com uma porta de vidro, sofrido dois anos antes, castigou os tendões da mão direita. Quando começou a evoluir nas partituras, o piano se tornou um sofrimento.

–Toda vez que tentava tocar sentia muita dor. Sem ter como evoluir no piano, desisti – relembra Trierweiler.

As aulas de violão resistiram por mais tempo, mas ele precisou escolher entre a música e a universidade. Para tocar o instrumento, era preciso deixar as unhas da mão direita compridas. Luxo que o jovem estudante de veterinária não poderia se dar. Pela dor e pela faculdade, deixou a arte de lado.

O reencontro com a música

Assim como a música, a curiosidade pelos búfalos surgiu na adolescência. Morador de Porto Alegre, ele via os animais quando visitava a fazenda do avô, em General Câmara, onde um vizinho estava entre os grandes criadores da raça na região. Com o curso de veterinária, o interesse pelos búfalos aumentou, e a música era um dom apagado. Já formado, mudou-se para a fazenda e iniciou seu rebanho, no início dos anos 1980. Se dedicou tanto que atualmente é um especialista e faz palestras sobre os animais. Foi apenas duas décadas depois, em 2000, que o reencontro com os instrumentos musicais aconteceu.

Aos 37 anos, o criador descobriu que podia conduzir o arco com a mão direita, sem desconforto, e começou a tocar violino. Dedicado, logo entrou para a Orquestra de Concertos de Lajeado e a Orquestra Jovem Unisc, em Santa Cruz do Sul. Durante um ensaio, na varanda de casa, viu os animais reagirem à música pela primeira vez:

– Quando toquei Amazing Grace os animais pararam de pastar e começaram a me seguir.

Um animal especial

Intrigado, o músico começou a fazer testes em horários e locais diferentes. Não importava o momento, os animais sempre deixavam o pasto e começavam a segui-lo. Desde então, todas as vezes em que quer mostrá-los para alguém só é necessário tocar a música e os grandalhões de pelagem negra surgem em passos lentos. A façanha dispensou o uso de cavalos no trabalho. Para trocá-los de potreiro, basta assumir o papel de músico que o rebanho o segue.

Um dos animais, de tão manso que se tornou, ganhou regalias do dono. Os búfalos criados na fazenda – cem cabeças atualmente – são vendidos para o abate. O de número 16 foi poupado. O coração falou mais alto:

– Me apeguei a ele, preferi deixá-lo no campo, como touro.

leticia.mendes@zerohora.com.br

Anúncios
%d blogueiros gostam disto: