Carne Nunca Mais
Pé-na-porta contra os robozinhos do sistema

Grupos protestam contra a Expointer

No domingo de forte calor, 30 de agosto, ativistas de diversos grupos estiveram em Esteio, RS, em frente à Expointer, uma das maiores feiras agropecuárias do mundo, para o já tradicional protesto. Às 10h da manhã, nove integrantes da Vanguarda Abolicionista (VAL) se instalaram em frente às bilheterais, com faixas, banners e posteres pró-libertação animal. Apesar do ambiente pesado, e hostilizados por alguns cambistas, seguranças e taxistas, iniciaram panfletagem maciça, em meio ao tumulto da entrada do evento, usando máscaras contra a gripe suína.

Foto: VAL
01Manifestantes chegaram cedo para aproveitar o público do rodeio Freio de Ouro, que ocorria na Expointer naquela manhã

O material informava sobre escravidão animal, veganismo e pecuária industrial, entre outros pontos, além do contra-senso de se prestigiar um evento daquela natureza enquanto a saúde pública padecia com a gripe suína. A VAL recebeu apoio do grupo Vida Universal, da Alemanha, que enviou lotes de folderes, cartazes, cartões, livretos e panfletos de conscientização.

Foto: Fernando Pereira
02Presença dos ativistas incomodou muita gente ligada à feira

Quem parava para conversar e alegava que não havia porcos em exposição, era lembrado de que a inédita decisão foi tomada para evitar que os suínos eventualmente fossem contaminados por algum humano infectado – e ainda assim, muitos defenderam os pecuaristas e debocharam dos materiais apresentados. Em torno das 14h, chegaram o Grupo Pela Abolição do Especismo (Gaepoa), Sociedade Vegetariana Brasieleira (SVBPoa) e SVB-Canoas, além de ativistas independentes. Foi feito um ‘paredão’ de faixas e banners na calçada em frente às bilheterias, e alguns usaram máscaras de porco, alegorias e outros chamativos. Em um determinado momento, um pai parou para ler os cartazes, e sua filha de cerca de 2 anos interessou-se por uma máscara de porco. A criança ganhou a máscara e o pai recebeu o folder ‘8 Mentiras Sobre Nutrição – O que tem olhos, pessoas inteligentes não comem’. “Ah, é bom um dia ela saber disso, pois atualmente ela fala aquela coisa de ‘porquinho cor-de-rosa’, etc”, explicou o interessado pai.

Foto: Rafael Santini
04Protesto reuniu diferentes grupos e cerca de 30 participantes

As atividades se estenderam até as 17h, após um dia de corpo-a-corpo com o público que acorria à Expointer como lazer e entretenimento – a grande Imprensa inclui também o ‘contato com os animais’, falácia de quem está subjugado aos interesses econômicos, e que cumpre à risca seu papel na subordinação social e incapacidade de reação frente à esquizofrenia moral da humanidade em relação aos animais.

Anúncios
%d blogueiros gostam disto: